Pesquisar este blog

Carregando...

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Viagem à Cananéia e Ilha Comprida

Pé na estrada

Nossa expedição era formada pela turma da pós-graduação em Arqueologia da UNISA, pelo coordenador Vagner e as professoras Cláudia e Adriane. Nós saímos da universidade por volta das 08:30 h do dia 18 de julho de 2009. O destino era um estudo do meio em um sítio arqueológico localizado em uma das ilhas do litoral sul do estado de São Paulo. Esse sambaqui faz parte dos bens tombados pelo Condephaat no município de Cananéia (latitude 25º00’53” sul, e longitude 47º55’36” oeste, com uma altitude de 8 metros do nível do mar).
Nós não estamos bem certos se foi esse caminho que percorremos, mas listamos alguns pontos da rota de viagem até Cananéia:

Grande São Paulo
0 Km Rod. BR-116
0 Km Taboão da Serra - SP
17 Km Embu - SP
26 Km Itapecerica da Serra - SP
39 Km Pedágio - São Lourenço da Serra
54 Km Juquitiba - SP
80 Km Miracatu - SP
102 Km Pedro de Toledo - SP
145 Km Juquiá - SP
163 Km Pedágio - Juquiá
193 Km Pariquera-açu - SP
201 Km Rod. SP-226
209 Km Rod. SP-222
210 Km Rod. SP-226
228 Km Estr. Municipal
253 Km Cananéia

Ao longo da estrada, nós admiramos belas paisagens: muitas montanhas, terras com uma vegetação densa, outras nem tanto, uma represa enorme, fazendas de gado, plantações de milho, de banana e de hortaliças. A viagem durou aproximadamente 4 horas, com parada de meia hora em um posto de gasolina e algumas voltas na rodovia. Havia uma loja de conveniência e nessa loja tinha um departamento de artesanato paulista muito interessante, com objetos feitos de cerâmica e até berrante.
Imagens: Maria Valdenice Timoteo



Valdenice e seus filhos, Álvaro e André, com berrantes




Participantes examinam peças de artesanato paulista




Chegamos à cidade por volta de 12:00 h, então, decidimos almoçar e depois iniciar nossa travessia de balsa, até a Ilha Comprida. Então, nós fomos para um restaurante escolhido pela nossa turma. Almoçamos contemplando a beleza do mar que divide Cananéia e Ilha Comprida, ao som das músicas do cantor Raul Seixas. O restaurante contava com aproximadamente 20 mesas, a maioria delas ocupada por estudantes e professores, além de alguns turistas que visitavam a cidade.


Cananéia
Quando nós chegamos à cidade, o ônibus atravessou um portal que delimita o perímetro urbano, com uma caravela monumental que remete ao período colonial. As fachadas das antigas casas e sobrados construídos com paredes de taipa de pilão e telhado de cerâmica, têm grandes portas e janelas retangulares ou arqueadas de madeira e vidro, coloridas em tons fortes, evidenciando traços da colonização européia. Essas casas e sobrados são utilizados como residência e também para lojas, restaurantes, pousadas e hotéis, conforme percebemos percorrendo as ruas calçadas de paralelepípedo em torno da praça batizada com o nome do fundador Martin Afonso de Souza.

Nesse local, encontra-se o obelisco que é o marco oficial da fundação da cidade, juntamente com dois velhos canhões, além de um coreto e da igreja jesuítica cujo padroeiro é São João Batista. A igreja construída também em taipa de pilão, é coberta com telhas de cerâmica, tem paredes grossas com fendas nas laterais e portas duplas de madeira em seu frontão e fundos, mas não tem janelas ou vitrais, e é pintada nas cores branco e azul.

A localização e as características arquitetônicas da igreja jesuítica dão a impressão de que esta edificação servia mais como uma fortaleza para os dias não tão calmos do passado, do que para missas, o que contrasta com a malemolência de Cananéia no presente. Procuramos realizar uma visita em seu interior, mas a igreja se encontrava fechada. Segundo informações de alguns moradores e comerciantes locais, ela abriria suas portas por volta das setes horas, mas não houve missa essa noite.


O post Informações sobre a divulgação do trabalho arqueológico na região do Vale do Ribeira (http://arqueologiaeeducacao.blogspot.com/2009/12/informacoes-sobre-divulgacao-do.html) nesta seção do blog apresenta um levantamento inicial sobre atividades educativas desenvolvidas em algumas cidades do Vale do Ribeira.

O artesanato local é comercializado em um dos sobrados na lateral da praça Martim Afonso e também em quiosques da rua do Artesanato, no centro histórico. Observamos muitos trabalhos com conchas, madeira, pedras e outros materiais. Um dos artesãos contou que alguns desses materiais eram recolhidos do mar, como por exemplo, as conchas e ossos utilizados em colares, pulseiras, e outros ornamentos confeccionados pelos caiçaras.

Ilha Comprida
Aproximadamente as 14:30h, tomamos a balsa para atravessar o canal e chegar a Ilha Comprida e ao sítio onde desenvolveríamos algumas atividades voltadas para o trabalho de campo em arqueologia. Quando chegamos à Ilha Comprida caminhamos aproximadamente 2 km, mais ou menos meia hora, por uma estrada de areia úmida devido aos dias chuvosos que antecederam nossa viagem. Nós adentramos na Mata Atlântica, caminhamos mais uns 500metros e encontramos alguns visitantes que estavam deixando as proximidades do sambaqui. Então, nós seguimos por uma trilha e percebemos que já estávamos pisando no sambaqui.
Em um primeiro momento foi um impacto, ouvir o som dos pés sobre aquelas conchas, ao mesmo tempo em que surgiram muitas indagações. Perguntas como: Qual seria a datação daquele sambaqui? O que revelaria se fosse realizadas escavações naquele sítio? Como era o dia-a-dia daquele povo que realizava sepultamentos naquele local em épocas remotas? Qual a relação que os habitantes atuais da localidade mantém com o sítio?


Atividades realizadas no sambaqui


Essa reconstituição do trabalho de campo está baseada nas anotações dos diários de campo de estudantes que participaram do estudo do meio. Divididos em grupos com 4 a 6 pessoas, o(a)s participantes desenvolveram atividades e registraram suas observações sobre os seguintes temáticas: topografia, descrição e análise do solo; descrição da vegetação, morfologia das conchas, modificação do sítio; identificação e delimitação do sítio com uso de GPS; localização do sítio com uso da bússola e medição das suas dimensões.

TEMA 1 – Topografia do sambaqui e morfologia das conchas


Participantes:Celso, Evelyn, Kate, Thalita
Nosso grupo teve como primeira tarefa reconhecer a topografia do sambaqui. Neste reconhecimento do campo passamos por vários níveis do sambaqui, contornando-o. As características encontradas no topo foram observadas ao longo do sítio. Os tamanhos e diversidade das conchas mudaram ao longo do percurso, apresentando variação de tamanho entre 2cm e 7cm.
Ao chegarmos ao ponto mais alto do sambaqui, observamos conchas misturadas com uma terra fofa e escura. Elas, aparentemente, são de diversos tamanhos e formatos. Nem todas estavam abertas, algumas permaneciam intactas.
Na encosta lateral desse sítio observamos que havia um pequeno vale, indicativo de ação humana. Pouco acima desse vale, percebemos grande quantidade de conchas lisas e limpas, parecendo que tivessem sido lavadas. Observamos também um buraco não muito grande, possivelmente de um tatu.
Depois, nós fomos à base do sambaqui e percebemos que as conchas encontradas seguiam o mesmo padrão descrito acima. Notamos também que existia água próxima ao sambaqui.
Fotografamos as conchas encontradas com indicação de tamanho.
Imagens: Kate Yamaguti




















TEMA 2 - Descrição davegetação, morfologia das conchas, modificação do sítio

Participantes: Carlos, Luana, André, Eduardo, Anderson

Nossa tarefa era identificar à vegetação que cobria o sambaqui, tanto as árvores, as plantas do tipo samambaia, cipós e pequenas árvores com espinhos. Algumas plantas apresentavam umas manchas brancas que acreditamos ser uma espécie de fungo.
O sambaqui era formado por muitas conchas, algumas bem brancas outras mais amarelas, algumas maiores e outras menores. Em alguns pontos encontramos uma terra bem vermelha, e as conchas suavemente sobrepostas umas as outras. O grupo percebeu que nos limites do sítio havia uma nascente e um córrego: por isso, na base do sambaqui havia muita água.

Tema 3 – delimitação do sítio com o uso do GPS

Participantes: Simone Naves, Jaqueline Amaral, Josélia França, Rosângela Cavalcante

Nossa equipe ficou responsável pela medição da extensão do sítio com apoio do GPS. Começamos a atividade primeiramente fazendo um reconhecimento do sítio, nosso objeto de estudo.
Observamos a vegetação nativa, extensão do sítio. A priori, fizemos esse reconhecimento a olho nu, sem o auxílio do GPS. Feito essas observações, começamos a medição do sítio com o apoio do GPS, através desse aparelho, demarcamos doze pontos capturados pelo GPS.
O sítio foi demarcado até onde podíamos visualizar a existências de conchas, a partir do momento em que essas se tornavam escassas, era o indício de que estávamos no final do sítio. Iniciamos nossa demarcação no ponto 1, onde foi capturado uma elevação de 3 m, observamos que ao final da captura desses pontos houve uma variação muito grande na elevação, onde iniciamos com 3 m chegando a uma elevação de até26 m. Abaixo pontos capturados pelo GPS.

Ponto 1
23J0207301
UTN 7229931
Elevação 3 M

Ponto 2
23J0207319
UTN 7229946
Elevação 13 M

Ponto 3
23J0207318
UTN 7229950
Elevação 20 M

Ponto 4
23J0207312
UTN 7229972
Elevação 22 M

Ponto 5
23J0207316
UTN 7229972
Elevação 16 M

Ponto 6
23J0207316
UTN 7229997
Elevação 26 M

Ponto 7
23J0207332
UTN 7230011
ELEVAÇÃO 23 M

Ponto 8
23J0207323
UTN 7229953
Elevação 26 M

Ponto 9
23j0207338
UTN 7229963
Elevação 23 M

Ponto 10
23J0207338
UTN 7229966
Elevação 24 M

Ponto 11
23J0207335
UTN 7229969
Elevação 24 M

Ponto 12
23J0207336
UTN 7229966
Elevação 24 M

Imagens: Simone Ferreira Naves Angelin e Thalita Doretto

Anotação dos dados coletos com o auxilio do GPS


Reconhecimento do Meio




Observação da Paisagem



Tema 4 - Localização com o uso da bússola e medição, levantamento do croqui

Participantes: Eduardo, André, Carlos e Guilherme

O procedimento de mensuração do sítio foi realizado manualmente. Usamos a fita métrica grande e escolhemos uma encosta. Partimos do ponto mais alto do Sambaqui. Um membro da equipe descia em linha reta até um certo ponto identificável, enquanto outro segurava a fita e tirava a medida. Depois, ambos iam até este mesmo ponto, e o processo ia sendo repetido, descendo em linha reta até chegar à base do Sambaqui. Em cada ponto definido, fazíamos uma mini-sondagem, superficial, para ver se haviam conchas no solo, mas tentando não prejudicar o Sambaqui. O ponto final na encosta mais íngreme (norte) ficou bem na base do morro. Mediu aproximadamente 30 metros.
Repetimos o processo na encosta sul, que possuía inclinação mais suave. Ali, fizemos o caminho inverso. Chegamos até o córrego, onde encontrava-se a outra metade do grupo, e localizamos um ponto onde não haviam mais conchas no solo. De lá, fomos subindo o morro, linha reta sempre que possível, tirando medidas em pontos identificáveis. Esta encosta nos deu uma medida de aproximadamente 25 metros. O córrego coincidiu com boa parte dos limites sul do Sambaqui.
Indo em suas extremidades de norte a Sul, tiramos a medida de diâmetro do sítio visitado. O diâmetro, sentido norte a sul, foi de aproximadamente 50 metros, e nossas medições foram confirmadas por membros de outra equipe que estavam com bússola.

Vestígios contemporâneos
No meio do sítio, havia uma trilha, que poderia ser marca da presença de visitantes. Nesse caminho o chão encontrava- se bem batido, talvez pelo transitar das pessoas no sambaqui, o que compromete futuras pesquisas que poderão ocorrer neste sítio. Andar em um solo que homens há milhares de anos usaram como moradia, e também como cemitério, onde homens considerados pré-históricos também caminharam e sepultaram seus mortos, é como estar sobre um tesouro, um verdadeiro patrimônio, um livro que só poderá ser lido muito lentamente, através de estudos e pesquisa de campo.
Ao caminhar sobre o sambaqui encontramos muito lixo também, como garrafas pet, papéis de doces, balas, e outros, que foram deixados neste sítio para poluir e com isso comprometer nosso patrimônio histórico.

De volta para casa
Ficamos aproximadamente 2 horas estudando o sítio, depois disso tivemos que voltar, pois o sol já começava a se pôr, e não estávamos preparados para ficar no escuro. Esperamos a balsa por aproximadamente meia hora, tomamos o ônibus e voltamos para São Paulo. O tempo foi curto, mas o que valeu foi a experiência que tivemos, o contato com esse universo a ser estudado, o sítio sambaqui de Cananéia.
Na estrada houve um grave acidente um outro veículo, que provocou congestionamento por quilômetros. O ônibus continuou seguindo pela rodovia por uma distância considerável, até a confirmação de que o acidente ocorrera de fato, não era boato, e a passagem pela estrada estava impraticável. Retornando na estrada, voltamos por Peruíbe e chegamos em São Paulo com diversas horas de atraso. Mesmo assim, todos nós nos divertimos e aprendemos bastante durante a viagem.

Siga o link para ler o post da Folha Online

Roteiro
Anderson Rogério Tognoli

Textos
Corpo discente de 2009 do curso de especialização "Arqueologia, História e Sociedade" da Universidade Santo Amaro (UNISA)
Imagens

Kate Yamaguti
Maria Valdenice Timóteo
Simone Ferreira Naves Angelin
Thalita Doretto

Edição de textos e imagens

Adriane Costa da Silva
Simone Ferreira Naves Angelin

Coordenação
Prof Dr Vagner Porto

Docentes
Profa Dra Cláudia Plens
Profa Ms Adriane Costa da Silva


Um comentário:

  1. Gostaria de obter um mapa com os sambaquis de ilha comprida seria possível?

    ResponderExcluir